Buscar
  • Fernanda Cerutti Machado. Psicóloga. CRP-12/10272

2018 tem prova ou concurso? Veja como se preparar.


Você está planejando seu ano de 2018? Um dos seus objetivos é passar em um concurso ou vestibular? Para conseguir melhorar seu desempenho é muito importante ter foco e organização. Mas... como se preparar para viver estas situações da melhor forma possível?

A Terapia Cognitivo- Comportamental (TCC) nos ensina algumas formas de enfrentar estes momentos sem ter prejuízos do desempenho nas situações de testes. Neste breve texto, abordaremos aspectos como motivação, ansiedade, memórias e dicas práticas de como estudar.

Primeiramente, será que estar motivado faz diferença ao se prestar uma prova? De acordo com os autores José, Álvares, Sauer, Pergher (2007), a motivação é a direção e a intensidade dos nossos esforços, ou seja, para conseguir me dedicar a algo com inteireza, preciso de antemão saber por quê estou realizando tal prova, ou por quê quero passar em determinado concurso.

Saber os por quês torna-se de extrema importância nos momentos em que há diminuição da vontade, principalmente na de estudar. Estes são os momentos que costumamos recordar com nossos pacientes estudantes qual é/ era o objetivo com determinada prova, concurso, vestibular. Alguns nos respondem que é apenas passar de ano. Ok! Esta não deixa de ser uma motivação válida para dar continuidade aos estudos.

Depois de estar convencido de que é mesmo necessário estudar ou dedicar-se horas e mais horas antes de prestar a prova, chega o momento de preparar-se para viver a situação em si. Este é um momento muito comum de ouvirmos a respeito da ansiedade. Mas afinal, o que é ansiedade?

Para Gorayeb (2014, p. 17) “Nossa ansiedade, [...], é o resultado da soma das mudanças em nosso corpo com os pensamentos, que, por sua vez, levam a um sentimento que parece ser uma mistura de medo + vergonha + insegurança. Este processo, a reação fisiológica mais a reação cognitiva, é o que chamamos de ansiedade”, ou seja, a ansiedade nos deixa em estado de alerta e ativa nossos mecanismos de defesa.

Porém, a ansiedade é útil durante a realização das provas? A resposta é sim e não. Sim, quando pensamos que até certo nível ela colabora para que o indivíduo permaneça mais atento ou talvez dedique-se mais aos detalhes contidos na prova. Não, a partir do momento que começa a causar prejuízos, como mal estar físico, dificuldade de concentração, fluxo de pensamentos negativos e até, pensamentos de desistência.

Então, como lidar com ela?

Uma técnica eficaz para lidar com a ansiedade nestes momentos específicos da vida é o uso da respiração diafragmática, ou seja, imagine que em sua barriga há um balão que precisa ser enchido. Para isso, respire profundamente pelo nariz, sentindo os músculos abdominais movimentarem-se (enchendo o balão), depois, conte até três e solte o ar pela boca de forma lenta. Repita este exercício diversas vezes, até perceber que seu estado corporal está mudando, começando a ficar mais relaxado.

Outra técnica interessante para lidar com a ansiedade, mais precisamente, com os pensamentos negativos e/ou perturbadores que ocorrem em decorrência dela, é trabalhar consigo mesmo a substituição dos pensamentos catastróficos, como por exemplo: “eu nunca conseguirei passar nesta prova, pois os outros candidatos parecem melhores do que eu” – pode-se pensar: “eu estudei e darei o melhor de mim durante esta prova”, dentre outras formas de pensar.

Próximo passo, estando motivado e sabendo lidar com a ansiedade é necessário saber estudar. Mas estudar tem segredo? Tem sim, precisa-se saber como se estuda para que se consiga otimizar o tempo e aproveitar melhor as horas de estudo.

Segundo Castro (2015), o estudo começa pela organização do ambiente. É necessário que seja confortável ao ponto de você querer permanecer no local, mas não ao ponto de propiciar horas de sono. Ai vão dicas simples de como organizar o

ambiente de estudo:

- mesa arrumada;

- boa iluminação;

- organização de todos os materiais necessários para o estudo para evitar sair do local com frequência e perder tempo com distrações;

- ambiente silencioso;

- organização do tempo de estudo (de preferência organizar um quadro de horários fixos para estudar todos os dias), se necessário e possível, avisar familiares de que aquele é o seu momento de estudo e que se puderem, evitem interrupções;

- saber aproveitar o tempo: fazer uma lista com tudo o que precisa fazer, em seguida dar um nível de prioridade a cada item da lista. E o mais importante, deixar para depois, tudo que não for urgente, dando prioridade ao estudo.

- Castro (2015), ressalta que após 20 ou 25 minutos, as pessoas perdem a capacidade de manter a atenção em assuntos que exigem raciocínio e esforço. A atenção exigida é muito maior e a cabeça se cansa, se embaralha. Sendo assim, é necessário alguns minutos para depois retomar os estudos.

- dormir bem também é imprescindível para aprender e também para realizar provas, pois quando estamos cansados nosso nível de concentração sofre diminuição e somos prejudicados pelo cansaço.

- elabore resumos, esquemas, destaque o que mais lhe chamou a atenção durante os estudos faça associações com outros conteúdos já aprendidos. Isto irá colaborar muito para que você durante a prova recorde o que estudou.

Estas são dicas importantes para todas as pessoas que estão passando pelos períodos de provas, mas sabemos que nem sempre elas são suficientes. Caso, você perceba que ainda não está sendo fácil controlar os pensamentos durantes as provas, ou dar conta da ansiedade, ou mesmo, está com dificuldade em organizar-se para estudar, procure um terapeuta cognitivo- comportamental... ele terá várias outras ferramentas para colaborar contigo e se tornará alguém para lhe estimular a seguir nesta batalha.

Referências:

CASTRO, Claudio de Moura. Você sabe estudar ?: quem sabe, estuda menos e aprende mais. Porto Alegre: Penso, 2015.

GORAYEB, Maria Angela Marchini. Ansiedade?: mate essa charada! – material de apoio no tratamento cognitivo- comportamental da ansiedade infanto-juvenil. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2014.

JOSÉ, Fernando Elias Machado, ÁLVARES, Jane Maré Vaz, SAUER, Leandro da Silva, PERGHER, Giovanni Kuckartz. Terapia Cognitivo- Comportamental na Preparação de Candidatos para Provas e Concursos. In: PICCOLOTO, Luciane; PICCOLOTO, Neri Maurício; WAINER, Ricardo. Tópicos em terapia cognitivo- comportamental. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

#terapiacognitiva #renovarepsicologia

56 visualizações